Mulheres na arquitetura

Eu sei o dia das mães passou, mas  acredito que todo dia é dia para valorizar as mulheres. Principalmente as mulheres na arquitetura.  Podemos não saber, mas muitas arquitetas fizeram e fazem projetos de arquitetura exemplares.  O meio da arquitetura é cheio de distorções, pois a maioria dos nossos colegas são mulheres mas  mal  recebem destaque.
até mesmo na faculdade nas aulas de história da arquitetura a maioria dos arquitetos são homens.  O texto de hoje é um singelo esforço para falar das arquitetas, muitas vezes invisíveis.

A primeira tem minha admiração pessoal: Carmen Portinho, a primeira mulher a conseguir o título de  urbanista no país. Desenvolveu vários projetos em parceria com Affonso Reidy. Dentre os projetos estão o projeto do pedregulho, o conjunto da gávea e o museu de arte moderna no Aterro do Flamengo. São projetos que alguns eu tive o prazer de visitar no Rio de Janeiro e digo o projeto do MAM é imperdível. É uma experiência única.

Outra pessoa que me desperta minha admiração é a arquiteta paisagista Rosa Kliass. Tomei contato  com as obras dela pelo youtube e me encantei com os projetos. Um tipo de pessoa que pensa na experiência das pessoas. Entre as principais obras da arquiteta estão O parque mangal das Garças em Belém e o parque do forte em Macapá. As pessoas de Macapá chamam aquele lugar de um lugar bonito. O que mostra que nosso trabalho é realmente para melhorar  a vida das pessoas.

Por fim a Jane Jacbos que escreveu o livro Morte e vida das grandes cidades sendo uma das primeiras pessoas a olhar para a escala do bairro, da vizinhança, do uso real das cidades. Mostrando que a forma de planejamento visto de cima  estava longe do ideal. Além do ativismo para a preservação de prédios históricos e parques.

Obviamente a muitas outras arquitetas invisíveis por aí que precisam da nossa atenção, respeito e admiração. Então procure conhecer, pesquisar e valorizar essas profissionais que fazem tanto para a arquitetura.  Para saber mais:


Um abraço e Roger that! \o.

Minha experiência no concurso de arquitetura

Nunca tinha entrado em um concurso antes, sempre via aquelas pranchas maravilhosas e projetos incríveis. No fundo foi bom entrar no concurso de arquitetura para estudantes. Primeiro porque tive total liberdade para projetar e segundo tive a oportunidade de colocar em prática todo o  meu conhecimento que tinha adquirido na faculdade.

Talvez uma falha minha foi ter entrado sozinho, talvez o projeto ficasse mais interessante, mas não deu certo. A montagem da equipe não ia pra frente e eu queria, porque queria entrar no concurso. Bati o pé e entrei.

Não sei você que está lendo o texto de hoje, mas eu procuro referências antes de começar qualquer croqui. Por incrível que pareça arquiteto também escreve e por mais que seja natural para nós colocar as ideias no papel, ler textos de arquitetura de dá uma visão muito mais ampla da situação.

Cá estava eu projetando ao lado, de uma obra do Artigas. Um aluno qualquer ao lado de um dos maiores mestres do Brasil. Eu precisava entender e conhecer não só o prédio da FAU mas toda a arquitetura do Artigas. Em minha pesquisa curiosamente conheci o projeto do edifício Louveira. Foi paixão arquitetônica. Artigas de fato era um grande arquiteto.

Meu método de projeto não segue uma linha muito linear. Eu penso no entorno, nas escalas  nos materiais para aí sim começar um estudo inicial. Pra mim a arquitetura tem que ser primeiro útil e só depois bela. Arquitetura pra mim é uma resposta a uma série de problemas que nos é posto. Cabe aos jurados avaliar as soluções.

Explicando o projeto de maneira objetiva: aterrei parte do volume para não impactar na escala do ser humano, criei uma nova centralidade com uma praça elevada  por onde passava por debaixo toda a ventilação da área técnica de acervo e criei um terraço coberto no andar superior dando leveza abrindo os pilares, aumentando a área de influência e eliminando as vigas.

Mesmo assim não ganhei, foram muitos projetos avaliados, mas fiquei convencido que fiz um bom projeto. Um projeto que respeita o entorno, o homem e dá soluções satisfatórias. Entrem em um concurso de arquitetura, entre mesmo. É uma oportunidade única para expor o seu potencial como estudante.

Caso entre em um concurso para arquitetos formados escrevo para você minhas impressões, caso queira saber ais acesse o vídeo do canal:


Um abraço e Roger that! \o.

Um contato mais próximo com meu público

De vez em quando, ocasionalmente, lanço no meu canal um vídeo para responder as perguntas de vocês. Faço isso porque sinto que me aproximar, de verdade dos meus inscritos e seguidores é importante. Não gosto nem um pouco dessa ideia de ser famoso e de ser tornar o tipo de ídolo inalcançável. Acho que juntos crescermos mais forte.
Algumas perguntas no vídeo eu respondi de maneira um pouco rápida e quero aqui aprofundar em algumas questões que me chamaram a atenção.

Como você se vê daqui 10 anos.? Essa foi umas das perguntas que mais me pegaram de jeito. É complicado pra mim responder essa pergunta da maneira adequada. Porque eu me formei em menos de um ano e as coisas estão um pouco nebulosas no meu presente de hoje.

Mas acredito que o que estou fazendo hoje, seja com o canal ou na minha vida profissional, tem como objetivo a satisfação pessoal. Sei que sou privilegiado por trabalhar com aquilo que gosto porque muita gente acaba aceitando o que aparece.

Não me vejo daqui  dez anos como um grande arquiteto urbanista, talvez daqui 25 ou 30 anos. Para realizar o meu sonho, irei precisar de muito esforço, dedicação e persistência e um bom relacionamento com meus futuros clientes. Para aí sim dizer que sou um grande arquiteto urbanista.

Com relação ao canal é a mesma coisa, não é possível prever se o vídeo meu vai bombar ou não. O caminho e continuar trazendo um conteúdo de boa qualidade e inovador. Veremos quando isso irá acontecer.

Me perguntaram o que eu, do presente, diria ao eu do passado enquanto estudante. Diria para levar as coisas com mais leveza. Uma vez ouvi de uma amiga que arquitetura não é importante, fiquei intrigado e bati o pé dizendo que era, mas hoje entendo que o que importa são outras coisas. Mas também gostaria de ter me arriscado mais ter entrado em mais concurso, tentado “ fazer meu nome”. Inclusive entrei em um concurso de arquitetura uma vez, mas isso ficará para um vídeo no canal.

Perguntaram-me no que diria aos meus 2461 inscritos. Diria para ter calma sobre o futuro, foque no presente e persista nos seus sonhos. Arquitetura é um pouco amarga as vezes por isso é preciso correr atrás, mesmo de verdade. No fundo a faculdade é o melhor período pra tudo isso porque depois as coisas se complicam…

Acredito que mesmo meu canal não sendo tão grande, tem canais de arquitetura maiores e melhores que o meu. Penso que tenho responsabilidade de mostrar que arquitetura é importante, não mais que a própria vida, mas tem sua importância.

No mais continuarei a seguir o meu caminho.

Será que arquitetura é o meu curso?

Estar no ensino médio e definir qual curso fazer não é uma coisa muito fácil. Ainda mais na arquitetura e urbanismo em que temos matérias dos mais diversos conhecimentos.

Arquitetura te exige saber um pouco de matemática, história, geografia, desenho técnico e muitos outros conhecimentos. Mas não se assuste é um curso muito bom, mesmo que muitas vezes seja um curso puxado.  Provavelmente você já foi às feiras de cursos nas universidades, conversou com estudantes e pediu ajuda no facebook, mas ainda assim tem alguma dúvida, não é? Eu também tinha.

As dúvidas provavelmente são as mesmas que eu tinha na época: No curso tem muita matemática?  Qual a diferença entra arquitetura e engenharia? Quanto um arquiteto urbanista ganha? O curso é difícil? Eu sei… São muitas dúvidas, mas se calme. Não é o fim do mundo.

O curso tem um pouco de matemática, é um complemento à engenharia, já que os dois cursos andam juntos, arquitetura o foco no espaço e a engenharia na estrutura. Os ganhos vão depender do seu esforço e sim o curso é exigente, mesmo que te falam que você só vai desenhar casinhas, o curso vai muito mais do que isso.
Eu sei que vocês são jovens e estão ansiosos pela novidade, mas calma. Não é o fim do mundo A escolha de um curso é uma decisão importante. Primeiro escolha um curso que goste e que alinhe com a padrão de vida que você busca.  Depois pesquise, vá as feiras, converse com os professores, alunos e arquitetos.

A internet está cheia de informação, quanto mais informação melhor, eu mesmo fiz uma série de vídeo falando sobre essas dúvidas do curso. Mesmo que seu curso seja arquitetura ou qualquer outro curso de graduação, o meu conselho é pesquise bastante.

Se ao chegar aqui no final desse texto você está decidido a fazer arquitetura e colocou na sua cabeça, assim como  coloquei na minha, que arquitetura e urbanismo é o curso da sua vida saiba que é curso que precisa de muita dedicação e esforço mas é um curso muito bom e motivador, pois criamos espaços para as pessoas. Foram simplesmente os melhores anos da minha vida. Boa sorte.

Um abraço e Rogerthat!\o.

Ter um canal no youtube para muitas pessoas pode significar fama, dinheiro, vida fácil.  Mas para mim não. Ter um canal no youtube é influenciar , positivamente, as pessoas.
Quando criei o ARQmente eu queria falar sobre arquitetura e compartilhar aquilo que acreditava ser interessante e importante.

Arquitetura no youtube… vai dar certo? Vai bombar? Vai ter público? As respostas são: Sim, ainda não e com certeza tem.  Falar de arquitetura é natural para mim já que essa é a minha profissão então não me vejo, hoje, falando de outra coisa que não seja arquitetura.

O meu canal semana passada alcançou a marca de 2400 inscritos. Em termos de relevância no youtube é muito pouco, mas se você pensar bem é bastante gente. São pessoas que entendem, assim como eu, que arquitetura é importante e deve ser valorizada.

Desses meus 2400 arqmenters, chamo meus inscritos assim, na verdade eles que pensaram esse nome, conheci pessoas de todo o País e sim fiz amigos.  Dei conselhos, contei meus dramas, ouvi desabafos, debate assuntos dos mais diversos, compartilhei conhecimento. A ponto de que as pessoas então fazendo o curso por causa do meu trabalho e do meu canal.

Sinto que tenho a cada dia que passa uma responsabilidade com meu público. Em falar o que é preciso, ser duro quando necessário e discutir aquilo que só se vê em grupo de arquitetura no facebook. Obviamente quero continuar crescendo, para alcançar cada vez mais estudantes e arquitetos. Mas digo que sinto que sou bem sucedido porque com meu canal eu mudei, mesmo que só um pouco, a vida de quem me acompanha.

Por mais que o youtube possa parecer um mar de tretas, ele te dá a liberdade de falar no que eu acredito e possa trazer um conteúdo cada vez melhor sobre essa minha profissão. O que começou como uma válvula de escape se torna importante não só para mim mas para todos que sempre me apoiaram e não me fizeram desistir do ARQmente. Que venham muitas outras conquistas. Esse é um momento de primeiro agradecer e depois comemorar.

Um abraço e Roger that!

Artigos, ABNT e correria da faculdade

A vida dos estudantes de arquitetura é muito atarefada. Projetos e mais projetos de diversas escalas. Projetos urbanos, de interiores, institucionais, residenciais. Mal temos tempo para respirar nesse ritmo de projetos incessantes.  Imagine então ter tempo para produzir conhecimento, a faculdade  tem essa função: produzir conhecimento. Assim a ciência e diversas áreas do conhecimento avançam e alteram a sociedade.

Nas nossas universidades uma das formas de produzir conhecimento é a produção de artigos, monografias e dissertações. Todo estudante, ao menos uma vez na vida acadêmica terá que fazer uma monografia como trabalho final de graduação. Além da falta de tempo temos a ABNT.

Entendo que a ABNT tem  um uso justificado como proteger o  conteúdo de outros autores e pesquisadores, pois nada se cria do nada, tudo se baseia em algo que já foi produzido. Tirando isso, a ABNT é algo no mínimo complicado para quem é novato na produção de artigos científicos.

Por sorte temos sites e aplicativos que formatam os textos da norma da ABNT automaticamente, o que já é um alívio para os estudantes de arquitetura que mal tem tempo para si mesmos.

Produzir um artigo, só por fazer qualquer um faz mas se o seu objetivo for produzir conhecimento de qualidade aqui vão algumas dicas.

 Se organize
Quando o professor ou professora lançar  o trabalho  de artigo, procure definir o tema o mais rápido possível e a partir daí procure referências bibliográficas e selecione os livros de leitura.

Leia os livros
Literalmente leia os livros que você irá usar como embasamento teórico para o artigo. Facilita muito na hora de escrever o artigo já que você saber de onde tirar o conteúdo que será útil para o seu artigo. Acredite é preciso pesquisar bastante e verificar se o livro é útil o u não para o artigo

Por fim, não deixe tudo pro final
O artigo não é algo rápido e fácil de fazer, mesmo com a formatação automática o artigo tem que ser escrito por alguém. Então comece a escrever aos poucos, escreva a introdução, o desenvolvimento  e assim vá construindo o artigo aos poucos sem pressa. Porque no final do semestre… é tenso.

Espero que esse texto ajude a não virar tantas noites escrevendo um artigo. Para saber mais deixo o vídeo do canal abaixo

Um abraço e Roger that! \o.

Estágio de Arquitetura

Ok, estágio de arquitetura… O estágio é uma ótima oportunidade de aprender aquilo que a faculdade não nos ensina. Porque aprendemos na prática, criamos algo que será construído, que estará no mercado, no mundo real.

Mas mesmo que a crise afete a arquiteto, hoje tenho a impressão que as coisas estão começando a melhorar. O estágio virá, mas vamos ser realistas ele não cai de bandeja no seu colo. É preciso se movimentar, correr atrás. Tentar fazer o diferente.

Ligar para os escritórios, montar um portfólio bem estruturado, já te coloca em uma situação mais favorável, mas não é certeza de sucesso. Acreditem… Experiência própria.  Nas entrevistas de estágio sempre fui relaxado e seguro do meu conhecimento e habilidades.

Então mostre que você tem iniciativa, tenha algum diferencial. Primeiro procure empresas do seu interesse, acredito que é melhor trabalhar feliz em um lugar que queria estar. Mesmo que o trabalho seja cansativo no final você estará satisfeito. Isso é bom tanto para quem  fazer o estágio para a empresa. Pois a empresa preza muito por uma imagem positiva.

Procure também conhecer a empresas, mostrar interesse por sua história e mostrar no que você pode fazer para somar com a empresa. Lembrando que o estágio é uma via de mão dupla o estagiário aprende, mas também ensina.

Mostre competência dê o seu máximo e aprenda a trabalhar em equipe. Um projeto feito a várias mãos é muito melhor. Seja principalmente humilde, a arquitetura está cheia de pessoas com ego inflado. Aprenda a ouvir arquitetos que  estão muito mais tempo no mercado do que você que só esta começando.

Nada vai brotar do nada pessoal, infelizmente algumas  faculdades não dão o suporte adequado quando se trata do estágio. Acompanhar os grupos de facebook sobre vaga de estágio não é certeza de uma vaga. Uma vez conheci um arquiteto  de importância através de um vídeo. Mandei um e-mail, marcamos a entrevista e consegui trabalhar lá por um tempo.  Podem dizer que foi sorte, mas corri atrás e deu resultados.

Mesmo que o arquiteto não responda seu e-mail, não se sinta tão triste. Faça diferente vá ao escritório dele, se apresente  ele pode se lembrar de você no futuro. Infelizmente ou não nossa profissão fazer alguns contatos.
Por fim não se desanimem, eu sei que o que vocês passam eu passei e passo a mesma situação para achar um emprego, mas não podemos nos deixar abater e deixar de correr atrás.

Para saber mais acesse o canal do ARQmente no youtube:https://goo.gl/cM5xF2